Entenda a importância do feedback como ferramenta para o desenvolvimento da empresa e dos colaboradores

Blog

Duomo Educação

Postado 26/04/2019

A boa comunicação entre líderes e liderados é certamente uma das peças-chaves para que a empresa conquiste bons resultados. Quando esse canal se mantém aberto, os times conseguem saber se o trabalho feito está seguindo o caminho correto ou que é preciso ser aperfeiçoado. É aí que entra a importância do feedback, como uma ferramenta valiosa para melhorar desempenhos e alcançar objetivos.

Pensando nisso, preparamos este artigo para reforçar a relevância dessa prática no meio corporativo, fornecendo algumas dicas para dar e receber feedbacks da melhor forma possível. Confira!

A importância do feedback

O feedback, quando construtivo e feito com frequência, é uma forma poderosa de retorno para os colaboradores. Trata-se de uma ferramenta que deve fazer parte da cultura da organização, já que ajuda no desenvolvimento individual e coletivo dos profissionais, diminuindo incertezas e guiando os fluxos de trabalho.

Motivação

Entre os principais motivos para adotar a prática de modo constante está o fato de que ela auxilia na motivação dos times — e sabemos que equipes motivadas têm tudo para dar o melhor de si no trabalho que desenvolvem . Com a cultura do feedback, cada membro receberá um retorno sobre sua performance, ganhando confiança naquilo que faz e entendendo que tem um propósito importante no funcionamento da empresa.

Performance

Por falar em performance, trata-se de outro aspecto que, de modo geral, pode ser potencializado por meio dos feedbacks. Com o conhecimento do que pode ser aperfeiçoado ou transformado, elimina-se o gargalo da desinformação. Ou seja, os colaboradores saberão exatamente o que é esperado deles e trabalharão com base nesses objetivos claros, agilizando as trocas de informações, requisito para um trabalho mais eficaz.

Engajamento

Fornecer feedbacks regulares aos colaboradores colabora com o engajamento dos times. É fato que a maioria das pessoas anseia por um feedback, afinal, ninguém gosta de não receber nenhum tipo de reconhecimento — ou mesmo comentário — pelo trabalho feito.

Por outro lado, um canal aberto entre gestores e funcionários, por meio do feedback constante, está diretamente conectado a níveis altos de engajamento , porque permite ao colaborador se sentir valorizado, ouvido e parte da organização. Essa cultura, além de motivar os colaboradores a desempenhar suas tarefas com excelência, os mantém sempre engajados aos propósitos empresariais.

Desenvolvimento

Nunca se falou tanto em desenvolvimento do capital humano como hoje. As empresas enxergaram que equipes bem treinadas e informadas produzem mais e com maior qualidade — e esse é outro aspecto que também pode ser aprimorado pela cultura do feedback.

Por meio dela, o colaborador consegue encontrar de forma natural maneiras de crescer profissionalmente. Isso porque, com o feedback, o funcionário adquire prática no que diz respeito à resolução rápida de problemas, desenvolve inteligência emocional para lidar com o próprio feedback, entre outras habilidades e competências.

Melhores maneiras de oferecer e receber feedbacks

Sabemos que nem sempre é fácil fornecer ou receber um feedback. Isso pode acontecer por diversos motivos: seja porque a prática ainda não faz parte da cultura da empresa, seja porque, quando esse momento acontece, ele é marcado por críticas destrutivas ou acusatórias.

Como vimos até aqui, é fundamental implementar feedbacks frequentes no cotidiano organizacional. Entretanto, existem algumas dicas que ajudam a tornar o processo mais claro e efetivo, tanto para quem oferece quanto para quem recebe.

Ao oferecer

A pessoa que fornece o feedback deve ter em mente que alguns cuidados são necessários nesse momento. Para isso, deve levar em conta que esse processo envolve o trato para com outro colaborador, e o objetivo da ação não é causar nenhum tipo de conflito.

A ação visa ajudar de forma adequada aquele que recebe a mensagem, portanto, deve ser livre de julgamentos, censuras ou rótulos.

Um erro comum por parte das empresas é praticar o feedback como via de mão única, ou seja, uma conversa em que só o líder fala e ao liderado cabe apenas escutar. O colaborador precisa ter também a oportunidade de argumentar sobre os fatos apresentados, abrindo espaço para o diálogo.

Além disso, os gestores responsáveis devem estar devidamente preparados para tal, tendo empatia e sensibilidade, sem a necessidade de se mostrarem superiores. Isso fará com que o funcionário não tema esse momento.

Por fim, vale destacar que o feedback é sempre mais eficaz quando dado em um momento oportuno, ou seja, próximo temporalmente do fato a ser discutido e quando os envolvidos estejam abertos para a conversa, por conta da exposição mais clara do ocorrido e para evitar qualquer promoção desnecessária de conflito.

Ao receber

Já para o indivíduo que recebe o feedback é interessante adotar uma postura receptiva e interessada, pois, trata-se de um momento também de aprendizagem. E nos casos em que há demonstração de erros ou falhas, não é preciso ficar se justificando o tempo todo. O diálogo é essencial nesses momentos e algumas perguntas podem ser úteis, como “o que, neste caso, teria funcionado melhor?” ou “como posso fazer diferente?”.

Gostou desse conteúdo? Então, aproveite para seguir as nossas páginas nas redes sociais e tenha acesso a mais textos como este — estamos no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *