Quer mais engajamento? Deixe que se rebelem!

Blog, Transformação digital

Tiago Cesario

Postado 22/02/2018

Trabalhando como consultor tenho a oportunidade de conhecer empresas dos mais diversos tamanhos e segmentos e independentemente dessas variáveis, o engajamento aparece como uma das principais questões para os líderes e para os profissionais que cuidam de gente.

Uma matéria publicada pela Harvard Business Review da pesquisadora Francesca Gino, pensando nessa questão, traz um título provocante “Deixe seus empregados se rebelarem” (Let Your Workers Rebel, em tradução livre).

Diz a autora que a partir do momento que entramos no mercado de trabalho somos educados a nos conformar. Não questionarmos o que já está estabelecido, ou o comportamento e opiniões dos outros, assim como informações que justificam uma decisão. Trazendo para nossa realidade brasileira, onde o respeito à hierarquia é um dado marcante, isso se torna ainda mais evidente.

Além disso, desde pequenos sofremos com a pressão social para seguirmos o grupo. Ninguém quer ser o pária, ser aquele que aponta os erros, ficar mal visto pelo chefe como aquele que “não está no mesmo barco”.

Pois bem, a questão é que a conformidade não é de toda má, já que ela fornece uma estrutura e regras claras a todos, porém para se obter sucesso as organizações precisam encontrar um equilíbrio entre a conformidade e a liberdade que favorece a cada um dar o melhor de si.

Francesca afirma que ao nos conformarmos o nosso engajamento diminui sensivelmente, já que ao fazê-lo geralmente estamos indo contra nossas próprias crenças e preferências, nos fazendo sentir inautênticos.

Quando deixamos de ser nós mesmos, deixamos também de contribuir com o que temos de melhor e de nos sentir como “donos” do negócio, da ideia, do projeto, para apenas respondermos ao pedido de outros.

Com o tempo essa conformidade pode gerar complacência e estagnação, o que faz com que mesmo empresas que tenham a liderança de mercado possam ter a falsa sensação de segurança, não questionem o status quo e acabem por perder espaço, ou até sumir do mercado. Quem se lembra da Kodak? Ou do MySpace?

Para promover a não conformidade a pesquisadora traz 6 sugestões:

  1. Dê oportunidade para que os empregados possam ser eles mesmos
  2. Encoraje-os a trazer o que tem de melhor
  3. Questione o status quo, e encoraje todos a fazerem o mesmo
  4. Crie experiências desafiadoras
  5. Promova perspectivas mais amplas
  6. Dê voz e encoraje visões dissonantes

Muito tem se falado sobre a questão do engajamento e como ele influencia na criatividade e na eficácia das equipes, abaixo deixo o link de outros dois textos que conversam com este.

Estamos passando por um tempo de mudanças e as empresas que mais rápido entenderem que não são as gerações mais novas o problema, mas sim a forma como estruturamos a gestão das pessoas, estarão um passo à frente das demais.

Fonte: https://hbr.org/cover-story/2016/10/let-your-workers-rebel

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *