Eu sou uma princesa-fada! 4 lições de lideranças femininas que fazem a diferença no mercado de trabalho

Blog, Competências de alta performance, Desenvolvimento de lideranças

Mari Martins

Postado 17/05/2018

Veja o que as mulheres aprenderam na vida que levam para os cargos de poder em organizações

A mulher ocupa diferentes papéis na vida. Mãe, filha, esposa, profissional, estudante, amiga e até fada madrinha. Mas, qual a importância das mulheres em cargos de poder? Cada dia mais, as mulheres buscam assumir cargos de liderança em empresas. O que fica claro é que justamente por ter tantos papéis, algumas características femininas absorvidas e desenvolvidas na vida também são essenciais para um boa líder. Entrar em contato com o próprio desejo, mas também com o dos outros. Ajudar na formação da identidade e personalidade de outras pessoas. A capacidade de se colocar no lugar do outro. Dar conta de tantas tarefas ao mesmo tempo.  Essas são apenas algumas das qualidades das mulheres no mundo que também podem ser trazida para a cultura das organizações.

A Mari Martins, diretora aqui na Duomo Educação, conta em suas palestras sobre empoderamento feminino uma história divertida sobre sua filha Olívia que nos faz perceber como olhar para as representações femininas de princesas e personagens mitológicos é possível também identificar alguns traços comuns na realidade.

Um dia em uma festa, quando a Olivia tinha perto do seus 4 ou 5 anos, estava brincando de “dançar” e ela fazia suas piruetas de um lado para o outro até que um adulto chega e diz:

– Oi princesa Olivia.

– Não, eu não sou princesa! Eu sou uma princesa-fada – respondeu ela ligeiramente com aquela inocência infantil

– Princesa-fada?!?

– Ser princesa é muito chato! As princesas ficam só dançando no castelo. As princesas-fadas podem sair por ai voando de um lado por outro, podem ir para qualquer lugar e fazer muitas outras coisas. Então, eu sou uma princesa-fada!

O termo ‘fada’ tem origem na palavra latina fatum, que está associado a fado, destino. As fadas interferem magicamente no destino de cada ser e aparecem nos momentos de perigo para proteger os outros. Bem parecido com o papel de um líder, né?!

Mas, afinal, qual a importância das mulheres em cargos de poder?”

Mas, a realidade corporativa ainda é desproporcional. Segundo os dados divulgados em 2017 da pesquisa global Women in Business 25% dos cargos de CEOs de empresas internacionais são ocupados por mulheres. No Brasil, são 16%. A pesquisa ouviu mais de 5 mil executivos das 36 principais economias mundiais.

Com a ampliação dos estudos aqui na Duomo Educação sobre empoderamento feminino e diversidade, que origininou o programa “Inteiras para mulherar o mundo”, nos demos conta que não basta a alta direção das empresas chegar dizendo: “nós decidimos e agora somos uma empresa que apoia a diversidade e a nossa meta é ter x% de mulheres trabalhando aqui, x% de gestores…”. Isso é só indicador! Não estamos dizendo que não precisa, este é um excelente impulsionador.

O que temos percebido é que a empresa precisa preparar e desenvolver as mulheres para que os resultados desses programas sejam efetivos, estratégicos e sustentáveis para a organização e para as pessoas!

Em resumo, preparar as mulheres para que elas sejam genuinamente empoderada em todos os seus papéis e, como todas as princesas-fadas, consigam alçar voos cada vez mais altos e longos e sentindo empoderadas e felizes independente da cadeira que ocuparão.

O que fizeram as mulheres que chegaram lá  e o que fazer  para estar mais confortável quando chegarem lá?

Confira 4 lições que as mulheres aprenderam na vida e que as diferenciam nos cargos de liderança:

1. Inteligência Emocional para melhorar os relacionamentos

É cientificamente comprovado que as mulheres têm mais facilidade de experimentarem e expressarem suas emoções. Isso ajuda no processo de se colocar no lugar de outras pessoas e ter mais compaixão. Dentro de uma organização, essa característica é essencial para melhorar relacionamentos, já que ameniza conflitos e motiva a equipe na busca por melhores resultados.

2. Dar conta de várias tarefas ao mesmo tempo

A mulher aprendeu historicamente a assumir muitos papéis na vida. Elas são naturalmente mais flexíveis e maleáveis.  Isso favorece a capacidade de se adaptar a ambientes em crise, por exemplo.  Os resultados das entregas são menos afetados apesar da dinâmica na empresa estar diferente da habitual em determinado momento.

3. Organização para ter mais produtividade

Colocar tudo no lugar e numa ordem que favoreça a produtividade. Com tantas tarefas para dar conta, as mulheres organizam não apenas os processos, mas o próprio tempo com mais facilidade do que os homens.

4. Coragem diante dos obstáculos

As mulheres são destemidas, especialmente quando precisam defender a “cria”. Vale para os filhos e para sua equipe. Quando acreditam em algo, não tem medo de lutar com todas as forças por isso. Inclusive, essa tem sido uma característica histórica que fez com que a mulher conquistasse não apenas espaço no mercado de trabalho, mas direitos sociais.

O desenvolvimento de liderança é uma questão fundamental na conquista de um melhor desempenho corporativo. Essas e outras lições de lideranças femininas aparecem nos programas e treinamentos aqui da Duomo Educação Corporativa. O objetivo é estabelecer habilidades para que todas as lideranças obtenham maior comprometimento, desempenho e satisfação de suas equipes. Para saber mais, entre em contato conosco.

Quer participar do curso aberto do Inteiras para mulherar o mundo? Inscreva-se agora mesmo!

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *