Blog

Qual a importância da empatia no processo de liderança empresarial?

Quantas vezes no mundo corporativo não escutamos reclamações de colegas de profissão à respeito de seus chefes? Que ele não entendem que os prazos para entregar o trabalho são impossíveis de serem cumpridos? Que eles acham que os funcionários vivem em função só do trabalho e não têm uma vida pessoal para cuidar?

Estamos falando sobre a empatia (ou a falta dela) no mundo corporativo. Na definição do dicionário, empatia é “a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. A empatia consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.” Há três tipos de empatia: cognitiva, emocional e preocupação empática. A Empatia Cognitiva é aquela em que eu consigo compreender intelectualmente o estado emocional das outras pessoas. Na empatia emocional, consegue-se saber o que a outra pessoa está sentindo. Já a preocupação empática são os impulsos que nos move a ter disposição de ajudar uma pessoa.

Há cinco competências emocionais que são necessárias no meio empresarial para que se tenha um bom relacionamento: empatia, autoconhecimento, autocontrole, automotivação e habilidades sociais. Se os funcionários e principalmente os seus chefes tiverem um baixo índice de empatia, a empresa terá um processo produtivo menos humano, o que a longo prazo com certeza resultará na perda de produtividade. Dizemos “principalmente os chefes” porque é comum que os funcionários acabem se tornando o reflexo de seu líder.
No site de uma agência de publicidade o descritivo com relação ao que eles acreditam sobre integração: “Gostamos de trabalhar juntos, de chamar o cliente para colaborar e de escutar os consumidores. Egos menores, relações e resultados melhores e muita diversão no processo.” Os ambientes empresariais estão mudando, e a empatia é uma característica que se mostra cada vez mais fundamental para o sucesso no mundo corporativo. A empatia é uma ferramenta que pode deixar o mercado não apenas ainda mais competitivo, mas humanamente mais competitivo.