Artigos

Teoria da Maturidade e Liderança Situacional

A liderança situacional corresponde à relação existente entre um líder, a maturidade do colaborador e a ocasião de trabalho. O conceito clássico da liderança situacional é entender que não existe um estilo único para liderar cada situação que pode surgir dentro de um ambiente de trabalho. Mas sim, existem ocasiões com tarefas e perfis diferentes de gestão.

É comum encontrar em grandes empresas, gestores com problemas na delegação. São casos onde a liderança não consegue obter um resultado satisfatório dos colaboradores.

Isso acontece porque, muitas vezes, o gestor aplica as técnicas e os conceitos de liderança para todas as pessoas da equipe, em todos os tipos de tarefa que ele delega, sem distinção. É como se o processo de delegação e acompanhamento fosse padronizado, para atingir todos os colaboradores de uma equipe.

Paul Hersey e Kenneth Blanchard Duomo teoria da maturidade

Após estudos sobre esse fenômeno, os autores Paul Hersey e Kenneth Blanchard concluíram que, os gestores nem sempre consideram o nível de maturidade do colaborador para a realização do trabalho, causando divergências na delegação.

Em alguns casos, o foco de um gestor é apenas para o comportamento emocional ou apenas para as tarefas técnicas dos colaboradores. Padronizando a gestão de forma inconsciente.

Foco no comportamento: Oferece maior ênfase à parte emocional do colaborador. O gestor incentiva, encoraja e dá apoio para aquele colaborador que, muitas vezes, não consegue executar a tarefa por insegurança.

Foco na tarefa: O gestor auxilia o colaborador em aspectos técnicos, ensinando detalhadamente como executar o trabalho.

Por que é importante identificar o nível de maturidade do colaborador?

A gestão se torna mais eficiente quando a maturidade é diagnosticada, pois a liderança passa a ser adaptada para o perfil de cada colaborador. Com ênfase na tarefa ou no emocional, quando necessário.

Como indicar o nível de maturidade?

Paul Hersey e Kenneth Blanchard propõe o conceito estabelecendo 4 níveis de maturidade:

Primeiro nível: É composto por colaboradores que não dominam tecnicamente a sua área e, portanto, não tem capacidade e entendimento para realizar suas tarefas.

Segundo nível: Nessa fase, o colaborador já conhece sua área, porém, ainda não executa suas tarefas com autonomia. Ainda demonstra insegurança e ausência de independência.

Terceiro nível: O colaborador já tem total domínio da sua área e desempenha suas tarefas com independência. Mas, ainda assim, não atinge o nível de qualidade esperado. Nota-se que nesse nível, o problema não está ligado a um aspecto técnico, e sim comportamental.

Quarto nível: O colaborador tem total domínio técnico. É seguro e comprometido para executar suas tarefas com autonomia.

Para detectar a maturidade de cada colaborador é importante classificar em qual nível ele está, através das tarefas que ele tenha realizado. Isso significa que, um único colaborador pode ser do segundo nível para determinada tarefa, enquanto pode ser do quarto nível para outra.

O importante é não rotular o perfil de maturidade do colaborador em apenas um dos níveis, pois assim não seria possível adaptar o estilo de liderança específica para esse colaborador.

A Duomo Educação Corporativa pode te ajudar a traçar esses perfis. Entre em contato e obtenha mais informações sobre os nossos serviços.

 

{cmp_comments idkey='1503c'[url=http%3A%2F%2Fwww.duomoeducacao.com.br%2FLideranca%2Fteoria-da-maturidade-e-lideranca-situacional.html]}
{idkey='1858c'[url=http%3A%2F%2Fwww.duomoeducacao.com.br%2FLideranca%2Fteoria-da-maturidade-e-lideranca-situacional.html]}