Artigos

Inteligência emocional vira peça-chave em tempo de crise

Por Durval Ramos

Extraído de: http://www.gazetadopovo.com.br/economia/pos-e-carreira/inteligencia-emocional-no-trabalho-vira-peca-chave-em-tempo-de-crise-4d64jgjeuq4iihycoxdtltj6g

 

Quase sempre deixada de lado na lista de prioridades de muitos profissionais, a inteligência emocional pode ser determinante no desenvolvimento da carreira, sobretudo em tempos de crise. Com as empresas passando por reestruturações e exigindo cada vez mais das equipes, o mercado passou a requisitar pessoas capazes de lidar com conflitos e situações de estresse.

E esse conjunto de habilidades é algo crucial diante dos desafios trazidos pela crise. “As pessoas mais equilibradas lidam melhor com a mudança e nós estamos em um momento de muitas transformações”, diz o consultor da Propósito Capital Humano André Caldeira. Segundo ele, as empresas estão se atentando à necessidade de desenvolver essas características em seus times, mas o primeiro passo tem de vir do próprio profissional.

Para o especialista, esse processo começa pelo autoconhecimento. “Você não consegue desenvolver essas habilidades sem olhar para dentro de si e entender sua forma de ver as coisas e reagir a elas. É a premissa fundamental.” E é a partir dessa leitura pessoal que o indivíduo vai se conhecer e saber o que precisa ser melhorado.

A consultora Mari Martins, da Duomo Educação CorporativaHorizontal 126, lista alguns desses atributos. Segundo ela, comunicação assertiva, bom relacionamento interpessoal e consciência das próprias emoções são pontos que definem essa inteligência e dizem muito sobre o comportamento daquele profissional. “Quem possui essas habilidades bem desenvolvidas apresenta um bom desempenho em qualquer coisa relacionada a trabalho em equipe, influência, desenvolvimento de pessoas e na capacidade de estabelecer vínculos”, diz.

 

Primeiro passo é ter autocontrole

Um ponto que a consultora Mari Martins destaca é que, ao contrário do que muitas empresas acreditam, desenvolver a inteligência emocional não significa suprimir as próprias emoções. Para ela, não se trata de negá-las, mas de lidar melhor com elas. “Todas as emoções são positivas. O importante é que elas sejam identificadas para que a pessoa saiba como reagir a cada um desses sentimentos.”

E esse autocontrole é mais do que fundamental. “Uma pessoa muito ansiosa e irritada gasta muito do seu tempo gerenciando esse estado emocional negativo. Já quem não entra nesse circuito emocional exagerado consegue ser mais dinâmico e produtivo.”

Para a consultora, ter essa consciência é um passo importante no desenvolvimento da inteligência emocional. “É importante ter mais conhecimento sobre si e sobre o próprio assunto, seja por meio de cursos, treinamentos ou mesmo leituras. É a partir disso que vem a reflexão sobre o que precisa ser melhorado”, diz Mari.

Para o consultor André Caldeira, esse progresso é parte de um amadurecimento pessoal e profissional que pode contar com a ajuda externa, como a de um coaching ou mesmo com um direcionamento feito pelas próprias empresas. “Iniciativas voltadas às avaliações de potencial, discussões sobre o que poderia ser melhorado tanto em termos técnicos quanto comportamentais são importantes nesse sentido. Um feedback estruturado, devolutivas frequentes e relevantes também colaboram.”

 

Desenvolva

Confira algumas características relacionadas à inteligência emocional e saiba como desenvolvê-las no dia a dia:

Autoconhecimento

Conheça suas próprias emoções para saber como reagir a elas. Diferenciar um sentimento de outro ajuda a controlar seus efeitos em seu comportamento.

Empatia

Interessar-se pelas outras pessoas não é só curiosidade, mas também empatia, uma das qualidades mais valorizadas na inteligência emocional. Querer saber mais sobre os outros mostra que você se importa com o grupo.

Mudanças

Não tenha medo do novo. Seja flexível e aceite mudanças. Saber se adaptar é uma habilidade bastante requisitada pelas empresas, principalmente em tempos
de crise.

Pontos fortes e fracos

Também é importante conhecer a si próprio. Saber quais são seus pontos fortes e fracos ajuda a estipular limites e a criar maneiras de continuar se aperfeiçoando.

Fuja do perfeccionismo

Esqueça o clichê do profissional perfeccionista. Buscar esse ideal inalcançável pode deixá-lo frustrado e afetar seu desempenho. O ideal é buscar fazer o melhor, mas dentro de seus limites.

Não se irrite

O autocontrole é fundamental no desenvolvimento da inteligência emocional. Não se irritar com situações ou mesmo com brincadeiras é importante tanto para o clima organizacional quanto para seu próprio desempenho.