Artigos

Disciplina

Kelly Gomes

“Disciplina é a ponte entre metas e realizações.” Jim Rohn

Chega de autoengano e de ignorar os problemas, achando que vão desaparecer sozinhos. O negócio é encara-los de frente. Como? Disciplina. Desenvolver a disciplina é como desenvolver um músculo. Você deve treiná-lo aos poucos, sem sobrecarregar.

Para ter disciplina em alguma área da vida, o primeiro passo é aceitar que precisa melhorar. Parece óbvio, mas é mais difícil do que parece. Um aspecto importantíssimo é ter convicção de que precisa melhorar em algum aspecto e de que a disciplina te ajudará. Não basta apenas saber que precisa estudar melhor, precisa saber quanto tempo estuda atualmente, quanto deve estudar, qual é a qualidade do estudo. Ou seja, deve conhecer o problema com detalhes para que o trabalho sobre ele seja eficaz, para ser assertivo na solução.

Muitas vezes o que ocorre é que admite-se que existe um problema a ser resolvido e se empodera de vontade para começar a solucioná-lo. Essa força de vontade que aparece quando aceitamos e enfrentamos o problema é poderosíssima. Porém, ela é escassa e acaba muito rápido. O melhor a fazer então é usar esse impulso para atacar as causas e os agravantes do problema, e não o problema em si ainda.

É importante usar a força de vontade de forma sustentável, para atacar as causas do problema. Exemplo: se você quer estudar melhor e já está tomado por uma vontade maluca de começar a ler um livro, se segure. Antes disso, use essa força toda para se preparar. O que atrapalha seus estudos? Por que seu estudo não rende? Aproveite sua força de vontade e escolha um lugar melhor para estudar ao invés de usar seu quarto, com sua cama no lado da mesa. Nesse novo lugar, arranje uma mesa e uma cadeira confortáveis, organize o ambiente.

Escolha seu objetivo, crie um plano e o execute. Use sua força de vontade para cercar o problema.

Agora, vamos ser realistas com o tempo a força de vontade pode ir perdendo força, então é hora de criar o hábito.

Mas como criar um hábito?

habitoSerá necessário uma repetição do processo por um período de tempo. E isso é trabalho duro. Então o que o nosso cérebro faz? Rejeita.

Para isso o importante é focar nos benefícios que se obtém com esse novo hábito, mais como fazer isso?

Pense num hábito que gostaria de ter. Por exemplo, você ouve muito dizer que fazer visitas gera mais negócios e então você decide que quer experimentar. Claro que no começo não será fácil, pois você está acostumado com a sua rotina de ficar no escritório. Então nas primeiras semanas será um sacrifício, pois é o período de fazer algo diferente do normal. Mas depois, no segundo mês, você já está percebendo que conseguiu gerar muito mais negócios, os resultados estão melhores. O que fazer então?

Como você já tem a noção dos benefícios que aquele hábito poderá te dar. Nesse momento, é muito mais fácil tomar uma decisão CONSCIENTE de continuar ou não com seu novo hábito.